Portugal cria visto especial para atrair profissionais de TI brasileiros

Candidato precisa ser recrutado por uma empresa portuguesa credenciada pelo governo

Em recuperação econômica, com desemprego em queda e tentando se consolidar como polo tecnológico, Portugal criou um visto especial para atrair profissionais de tecnologia oriundos de fora da União Europeia.

Batizado de Tech Visa, o novo visto tem como um de seus principais alvos os profissionais de TI brasileiros. Além de ser menos burocrático do que muitos dos vistos de trabalho, o Tech Visa é também mais rápido, já que tem direito a uma fila acelerada para a análise dos processos.

Para ser elegível ao visto tecnológico, o candidato precisa ser recrutado por empresas que tenham aderido ao programa junto ao Ministério da Economia português.

As empresas selecionadas para recrutar estrangeiros através do Tech Visa são obrigadas a demonstrar que são inovadoras e têm potencial de crescimento também para mercados externos.

Nos cinco primeiros meses em vigor, 85 empresas se credenciaram e pelo menos outras dez estão em processo de análise no governo português.

“Através do Tech Visa é possível atrair e reter talentos, cuja produtividade contribua para o crescimento econômico enquanto fonte geradora de atividade e de emprego”, explica, em nota, o ministro adjunto e da Economia de Portugal, Pedro Siza Vieira.

O programa, completa, “cumpre igualmente o desígnio do governo de promover a atração de imigrantes, neste caso altamente especializados”.

Embora a média salarial em Portugal seja mais baixa do que em outros países que também têm visto especial para profissionais de TI, como Canadá, Alemanha e Holanda, os portugueses apostam nas similaridades com o Brasil para levar a melhor.

A proximidade cultural, o inverno pouco rigoroso e o fato de os dois países falarem a mesma língua são os trunfos portugueses na hora de competir pelos cobiçados trabalhadores altamente qualificados do mercado tecnológico.

“Salário é um dos tópicos mais interessantes, mas a maior parte dos brasileiros, na minha opinião, não vem por causa dos salários. Em São Paulo normalmente ganha-se mais do que aqui. Os brasileiros têm a preocupação com a qualidade de vida”, avalia José Paiva, presidente da Landing Jobs, empresa que recruta profissionais da área de tecnologia para empresas de toda a Europa.

“Muitos dos profissionais de TI são jovens que vêm com a família, com filhos. Ter essa semelhança cultural e a mesma língua ajuda na adaptação. Nesse ponto, Portugal leva muita vantagem em relação aos outros países”, diz Paiva.

Uma das empresas certificadas para contratar estrangeiros usando o Tech Visa, a Landing Jobs diz se preparar para trazer 30 brasileiros para Portugal usando o novo tipo de visto de trabalho.

Em Portugal há pouco mais de um ano, o programador Bernardo Cavalcanti, 28, trocou um emprego bem remunerado na Alemanha por uma nova vaga em uma startup em Lisboa.

“Portugal está se posicionando como um hub tecnológico importante na Europa. Tenho outros colegas do meu período em Berlim, e não somente brasileiros, que também se mudaram para cá”, diz ele, que reconhece que o ambiente português ainda está menos desenvolvido do que o do norte da Europa.

Parte desse atraso na comparação com outros países europeus pode ser explicada pelo processo de recuperação de uma grave crise financeira vivida no começo da década, com direito a resgate de € 78 bilhões (R$ 335 bilhões) da chama troika (Fundo Monetário Internacional, Banco Central Europeu e Comissão Europeia).

Portugal agora vive um momento de retomada e uma das apostas do país é justamente no fomento ao setor de tecnologia, que tem recebido uma série de programas de desenvolvimento.

Uma das principais vitrines do investimento no setor foi a mudança da Web Summit, um dos maiores eventos de tecnologia do mundo, para a capital portuguesa.

Em 2019 o congresso terá sua quarta edição em Lisboa, em evento marcado para novembro.

Além das linhas de venture capital (investimentos de risco) específicas para starups, o governo criou ainda um visto para estrangeiros que queiram abrir (ou transferir) suas próprias empresas de tecnologia para o país.

 

VISTOS PORTUGUESES

Estudante
No Ensino Superior, é válido para cursos de graduação e pós

Trabalhador
É necessário ter um contrato ou promessa de trabalho

Investidor 
É necessário abrir uma empresa em Portugal. É preciso demonstrar a relevância e viabilidade do negócio

Aposentado
É preciso comprovar renda mensal de pelos menos € 600

Gold 
Autorização de residência para quem investir em imóvel de € 500 mil ou criar uma empresa com 10 empregados

 

Fonte: Folha de S. Paulo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *