Jardins, trilhos e circuitos históricos: quatro passeios para fazer este outono

Porto, Lisboa, Sintra e Palmela são os cenários de alguns dos passeios que sugerimos para este outono.

Ver as cores do outono
Passear por jardins e parques é uma atividade prazerosa durante quase todo o ano, mas agora que as folhas ganham novas colorações, dando o verde lugar a tons mais quentes, é um momento especialmente bonito.
Naqueles que são considerados por alguns como os jardins românticos mais bonitos da Europa, os Jardins do Palácio de Cristal, no Porto, os tons amarelados já estão a despontar nas folhas dos plátanos e das tílias, árvores que dão nome a duas das avenidas em volta do Palácio de Cristal. E montinhos dispersos de folhagem estaladiça e cor de ferrugem começam agora a ver-se um pouco por todas as suas áreas circundantes.
Em visita a este espaço verde, projetado, em grande parte, pelo paisagista Émilie David, na segunda metade do século XIX, vale a pena parar nos miradouros com vista para o rio e a para a outra margem, do torreão e da Casa do Roseiral, deambular pelo Jardim dos Sentimentos, passear à volta do lago, descobrir a Capela Carlos Alberto, a gruta de Camões e as fontes. Para piqueniques ou momentos de repousa há mesas e cadeiras em pedra, bancos em madeira, e extensas áreas relvadas. Ana Luísa Santos

 

Jardins do Palácio de Cristal (Fotografia: José Mota/GI)

+ Parques e jardins:
Parque da Lavandeira, Vila Nova de Gaia
Parque de São Roque, Porto
Jardim da Estrela, Lisboa
Jardim da Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa

 

Ser turista na própria cidade
Conhecer melhor os três mil anos da história de Lisboa (dias 10 e 24 de outubro) e desbravar os trilhos do Parque Florestal de Monsanto (dia 25) são duas das sete sugestões de passeios a pé que a Inside Lisbon elaborou especialmente para os portugueses, agora que as famílias regressaram à cidade. Colocando os lisboetas na pele de “turistas”, no primeiro caso dá-se a conhecer uma série de histórias e curiosidades acerca da cidade das sete colinas, num passeio de quatro quilómetros com início na Praça do Rossio e término na Praça do Comércio.
Já o passeio de quatro horas pelo Parque Florestal de Monsanto promete desvendar vestígios e locais desconhecidos da maioria das pessoas, como “pedreiras, trilhos antigos e parques esquecidos”, percorrendo ainda miradouros. Na Grande Lisboa, a Inside Lisbon também tem passeios marcados para Sintra, no Parque da Pena (dia 18 de outubro) e em Monserrate (dia 11), ambos com uma componente histórica e contemplativa da paisagem, e ideais para toda a família. André Rosa

Inside Lisbon (Fotografia: Sónia Guerreiro)

Fazer um circuito histórico
Até ao final do ano, há um circuito histórico no Penha Longa que dá a conhecer o seu mosteiro do século XIV, bonitos jardins e outros pontos de interesse por onde passeava a realeza. A fundação do Penha Longa data de 1355, ano em que Frei Vasco Martins, natural de Leiria e monge da ordem de São Jerónimo italiana, regressou a Portugal com autorização papal para construir dois mosteiros – o de Penha Longa, em Sintra, e o de Mato, em Alenquer. Foram precisos cinco séculos e quatro reinados para erguer o mosteiro de São Jerónimo, e um dos protagonistas foi D. Sebastião, ele que muitas vezes subia à “pedra longa” e alta do Penedo dos Ovos “para ver o mar e se inspirar nas suas estratégias de guerra”, conta António Macias, autor deste circuito histórico do Penha Longa Resort.
O penedo, cuja cruz no topo se avista bem ao longe, é só um dos 10 pontos de interesse do passeio, uma caminhada de cinco quilómetros que obriga a levar roupa e calçado confortáveis. Há muito mais para ver, como o próprio mosteiro do século XIV e a igreja que acolhe “uma das principais coleções privadas de azulejos em Portugal”. O Jardim do Núncio, de estilo renascentista, é outro dos pontos altos do passeio, que dura cerca de uma hora sem nunca sair dos limites da propriedade de cerca de 220 hectares, em pleno Parque Natural Sintra-Cascais. André Rosa

Reservas: 219249036/wellness.penhalonga@penhalonga.com.
Circuito a partir de 80 euros (até cinco pessoas); 15 euros por pessoa (5 a 10 pessoas), até 30 de dezembro, horário sob consulta

 

 

Dedicar um mês à música
Palmela conquista pela História, mas também pela música, e este mês há uma programação cultural de largo espectro para acompanhar em vários locais. Em destaque, uma oficina de música eletrónica no Centro Cultural de Poceirão (dia 17 às 16h), e o espetáculo “Vingança – uma ópera do tempo da Todi e da Madonna”, no Cineteatro São João (dia 31, às 18h e às 22h), a segunda criação da Companhia de Ópera de Setúbal, dirigida pelo maestro Jorge Salgueiro.
Numa lógica descentralizada, o Centro Cultural de Poceirão recebe ainda o “Concerto com Melgazarra” (dia 17 às 22h) e um espetáculo com o Grupo Monda (dia 24 às 21h), que promete fundir o Cante Alentejano com “as novas tendências musicais”, aproximando-o da World Music. Entre concertos fica a hipótese de visitar o concelho, do castelo ao centro histórico, passando pela arte urbana surpreendente de Quinta do Anjo e pelas provas dos licores Arrabidine. André Rosa

 

Cineteatro São João (Fotografia: Leonardo Negrão/GI)

 

Palmela é Música
Eventos gratuitos (mediante inscrição ou levantamento de bilhetes)

 

Foto de Capa: Orlando Almeida/GI

Fonte: Evasões

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *