12 fantásticos castelos do Alentejo

Terra de planícies, o Alentejo possui muitos e belos castelos que foram construídos para a defesa desta região. Descubra alguns dos mais bonitos.

Sabia que Portugal é um dos países da Europa com mais castelos? São quase 500, alguns mais bem conservados do que outros. Os castelos desempenharam um papel crucial na nossa história e serviram como baluarte de defesa contra os ataques dos mouros ou dos espanhóis. Os castelos do Alentejo não são excepção.

Os castelos do Alentejo são hoje apenas vestígios da memória desses tempos. Já não cumprem a sua função defensiva mas servem, sobretudo, como atracções turísticas. Alguns estão em avançado estado de degradação, como o de Juromenha, por exemplo. Outros continuam imponentes e altivos. Descubra 12 belíssimos castelos do Alentejo.

1. Castelo de Monsaraz

Alentejo
Monsaraz

O Castelo de Monsaraz é um dos principais pontos turísticos da aldeia-museu mais conhecida do Alentejo. Classificada como Monumento Nacional, a fortaleza foi construída no séc. XIV por ordem de D. Dinis.

Após o abandono das funções militares, a antiga praça de armas começou a ser usada para eventos populares, nomeadamente para as festas anuais em honra de Nosso Senhor Jesus dos Passos. Uma tradição que dura até aos dias de hoje.

Do topo das muralhas consegue ter uma vista única sobre o incrível espelho de água da Barragem do Alqueva, o maior lago artificial da Europa.

2. Castelo de Marvão

Castelo de Marvão
Castelo de Marvão (João Serra)

Em pleno parque natural, o Castelo de Marvão surge no ponto mais alto da Serra de São Mamede, mostrando as suas muralhas e deixando antever algumas das construções que encerra no interior.

Conquistada por D. Dinis aos mouros, no séc. XIII, a fortaleza teve um papel importante nos conflitos que se seguiram entre os portugueses e os espanhóis.

Envolto por montanhas escarpadas, o Castelo de Marvão oferece vistas únicas sobre o território. E já que está por aqui, aproveite para visitar as ruínas de Ammaia, um dos mais importantes vestígios da época romana em terras alentejanas.

3. Castelo de Beja

Beja
Castelo de Beja

É um Castelo medieval, que foi construído em finais do século XIII sobre umas fundações romanas, por ordens do rei D. Dinis.

O Castelo está disposto em planta pentagonal, flanqueado por seis torres, entre elas a Torre de menagem, considerada uma das torres de menagem mais belas de todo Portugal.

A partir do alto desta impressionante torre de 42 metros de altura desfrutarás de umas magníficas vistas sobre a cidade.

4. Castelo de Évoramonte

Castelo de Évoramonte
Castelo de Évoramonte

O Castelo de Évora Monte, também conhecido como Castelo de Evoramonte, localiza-se na freguesia de Evoramonte, concelho de Estremoz, distrito de Évora, no Alentejo, em Portugal.

Erguido em um dos pontos mais elevados da serra de Ossa, no centro da povoação, do alto de seus muros domina-se uma grande extensão em redor, até ao Castelo de Estremoz.

5. Castelo de Valongo

Castelo de Valongo
Castelo de Valongo (Paulo Remédios)

Acredita-se que a primitiva ocupação humana de seu sítio remonte à época romana, posteriormente ocupado por Visigodos e Muçulmanos, estes últimos os responsáveis pela fortificação do local, conforme atestam algumas inscrições islâmicas em seu interior.

À época da Reconquista cristã da península Ibérica, a sua estrutura foi reconstruída em fins do século XIV ou mesmo início do XV. Classificado como Monumento Nacional por Decreto publicado em 23 de Junho de 1910, encontra-se actualmente em ruínas.

6. Castelo de Castelo de Vide

Castelo de Castelo de Vide
Castelo de Castelo de Vide

O castelo de Castelo de Vide, poderá ter sido reconquistado aos árabes por D. Afonso Henriques, apesar de só por volta de 1232, esta povoação aparecer devidamente referenciada.

A importância deste castelo levou a alguns conflitos, nomeadamente entre os filhos de D. Afonso III, já que este monarca doou o castelo ao infante D. Afonso, que começou a reforçar as suas defesas, acto que seu irmão, o rei D. Dinis, achou suspeito, pelo que cercou o castelo e foi a intervenção do reino de Aragão que pôs fim à contenda.

D. Afonso IV, em 1327, conforme inscrição sobre uma das portas, mandou reforçar as defesas do castelo e sob o reinado de D. Fernando, é entregue à Ordem de Avis.

7. Castelo de Estremoz

Castelo de Estremoz
Castelo de Estremoz

Construído no século XII, ainda que já devesse ter havido aqui fortificação desde o tempo dos romanos, passou sucessivamente de mãos entre cristãos e muçulmanos até ao reinado de D. Sancho II. Nesta altura, houve obras de reconstrução. Mais tarde, com D. Dinis, foi edificado também o Paço Real.

Por este lugar passaram notáveis figuras da história de Portugal. A Rainha Santa Isabel, aqui falecida em 1336, terá aqui feito o milagre das rosas. D. Nuno Álvares Pereira tornou o castelo o seu quartel-general. Os reis D. João I e D. Afonso V realizaram reuniões de cortes. Foi também neste local, em 1497, que D. Manuel entregou a Vasco da Gama o comando da esquadra que chegaria à Índia.

8. Castelo de Elvas

Elvas
Castelo de Elvas

O Castelo de Elvas integra o conjunto “Cidade-Quartel Fronteiriça de Elvas e as suas Fortificações” — classificado como Património Mundial da UNESCO — e é um dos melhores exemplares da arquitetura militar em Portugal.

Elvas foi uma das primeiras linhas de defesa nacionais desde a Idade Média até ao séc. XVIII, em especial durante a Guerra da Restauração, dada a sua proximidade à vizinha Espanha e isso vê-se no seu espólio cultural.

E já que falamos em Património da Humanidade, não deixe de ver o Aqueduto da Amoreira, uma peça notável de arquitectura civil e um dos aquedutos que tem mesmo que conhecer em Portugal.

9. Castelo de Arraiolos

Arraiolos
Arraiolos

Situado num dos mais altos montes da região de Évora, caracteriza-se por estar envolvido por uma muralha de forma elíptica. O castelo de Arraiolos, tem como período aceite para a sua construção, o reinado de D. Dinis, por volta de 1310, sendo doado a D. Nuno Álvares Pereira, em 1387, que também recebeu o título de Conde de Arraiolos.

No reinado de D, João IV, em plena época da Restauração da Independência, o castelo foi remodelado, mas algumas décadas depois estava ao abandono e o terramoto de 1755, completou a ruína que já apresentava.

Depois de em 1910, ser classificado como Monumento Nacional, foram executadas obras de recuperação, a cargo da Direcção-Geral dos Edifícios e Monumentos Nacionais.

10. Castelo de Amieira

Castelo de Amieira
Castelo de Amieira (Bruno Cruz)

O único episódio militar em que o castelo esteve envolvido ocorreu em 1440. Tendo D. Leonor, princesa de Aragão, se desentendido com o infante D. Pedro, retirou-se, com a cumplicidade do prior, D. Nuno de Góis, para o Crato, tendo invocado em seu auxílio as forças de Castela, que cercaram a Amieira.

Diante dessa insubordinação, D. Pedro determinou a ocupação dos castelos do priorado do Hospital nessa região fronteiriça, ordenando a D. Álvaro Vaz de Almada (conde de Abranches), acometer o Castelo da Amieira. Sem oferecer resistência os castelos renderam-se, o prior do Crato e D. Leonor puseram-se em fuga para Castela e a paz foi restabelecida. O Castelo da Amieira passou para as mãos de Pedro Rodrigues de Castro como alcaide ao final do conflito.

11. Castelo de Mértola

Mértola
Mértola

Terra de conquistas e reconquistas, pelo seu valor estratégico junto ao rio Guadiana, datam de 440 d.C. as primeiras referências a uma fortificação neste local, na altura em que Mértola era designada como Myrtilis Julia.

Informações sobre a sua reedificação datam do período do reinado de D. Dinis (1279-1325), iniciando-se nesta altura a construção da muralha da vila, obras continuadas pelos seus sucessores.

12. Castelo de Noudar

Castelo de Noudar
Castelo de Noudar

Entre a ribeira da Múrtega e o rio Ardila que correm de Este para Oeste, situa-se o Castelo de Noudar, acabado de construir em 1307 no reinado de D. Dinis.

O local foi escolhido pela sua defesa natural, o fácil acesso e aproveitamento de uma nascente de água de excelente qualidade, a Fonte da Figueira, localizada a cerca de 250 metros a Este do castelo, sob o cerro denominado da Forca.

Na proximidade do Castelo existem, terras boas para a agricultura e extensos montados para o pastoreio do gado. A fortaleza medieval foi importante na defesa da fronteira com Castela nos princípios do século XIV.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *